13 de janeiro de 2015

Chegou a Hora de Deixar as Fraldas? 10 Passos e Sinais

Naturalmente neste processo surgem algumas dúvidas de se estamos a fazer as coisas bem o que me levou a pesquisar alguma informação sobre o momento certo e o que está por trás de estar ou não a criança preparada para deixar a fralda.
Tenho lido coisas interessantes. Algumas muito muito simples e que pelos vistos fazem diferença.

Estes foram os passos principais que demos ou aspectos que tive em atenção até chegar ao ponto em que estamos - ou seja: sem fralda durante o dia.

- Em 1º lugar sem stress! Nem nós (família e escola) nem stress em cima do JB
Entendo que cada criança tem o seu momento, o seu timing. Sem stress para começar o processo e também agora que está iniciado sem stress no processo - porque há acidentes, não se chega a tempo, não pede a tempo... Faz parte!;

- Nunca colocar em causa a auto-estima da criança. Ainda que as vezes a bisa ainda diz aquelas coisas como antigamente: «...és um menino grande, é uma vergonha teres fralda. Queres ser bebé sempre...» coisas inofensivas - que até tem razão de ser - mas que tento da minha parte compensar não o dizendo e reforçando as pequenas conquistas. Acredito que cada passinho, cada pequeno progresso é o momento certo para elogia-los e motiva-los a continuarem. Sim! colocamos por aqui em pratica a história das palmas e festas e informação transversal a toda a família quando faz o xixi ou o cocó no penico ou na sanita;

- Descobri com as minhas leituras que o facto de as crianças observarem os adultos, perceberem que existe um espaço para fazer o xixi e o coco, terem o seu redutor ou o seu penico disponível na mesma casa de banho etc; faz com que chegue a um ponto que é mesmo natural que queiram por imitação serem iguais aos grandes e assim eles próprios peçam para deixar a fralda - foi o que aconteceu com o JB.
Temos um penico (pequeno e barato) que ele usa algumas vezes (poucas) e temos um redutor da sanita que há vários meses que o sento nele para ele se ir habituando (também foi barato e funciona perfeitamente) - vimos vários mais complexos, maiores, bem mais caros, optamos por esta solução mais simples e mais barata. O redutor podemos leva-lo para qualquer lado se necessário, é almofadado (excelente por não ser frio) e tem o Elmo :)))) Simplificámos ao máximo. (estamos fãs das toalhitas de limpeza desinfetantes para limpar o redutor sempre que o usamos);

- Houveram algumas mudanças que me deram uma maior segurança para começar a insistir em realmente tirar lhe a fralda: começou a fazer xixi menos vezes e em maior quantidade de cada vez, deixou de fazer o cocó à noite e mais ou menos faz a horas certas (não a hora certa mas no mesmo período horário), a fralda mantinha-se seca em períodos mais longos - podendo por exemplo na sesta não fazer nenhum xixi - e começou a ter consciência de estar a fazer as necessidades - fazia o coco sempre de pé, meio escondido, «informava» que o tinha feito no fim, se estava a brincar parava para fazer xixi ... começava a ficar bastante incomodado quando tinha a fralda suja. Isto tudo fisiologicamente podem ser sinais de que os músculos da esfíncteres (anal e genital) estão preparados para a criança poder «aguentar» as necessidades;

- A consciência do corpo e o nomear cada parte do corpito;

- Também o facto de já falar, saber pedir, e de já perceber instruções de diferentes passos mostraram que estava pronto;

- Houve uma fase em que ele respondia com um Não peremptório sempre que lhe falávamos em tirar a fralda. Estando na idade dos «nãos» e no caso de uma personalidade como a do JB, foi importante chegar a um ponto em que ele faz com vontade e não sente sequer necessidade de se afirmar com a contradição - acho que ter esperado a chegar a este momento foi importante - aqui repito que cada criança tem o seu timing, o seu momento.

- Obviamente está na fase em que é visível o querer imitar a família, imitar o que se diz e o que se faz, imitar as crianças mais velhas, o querer ser integrado, reconhecido... já tem algum auto domínio;

Há duas característica que teremos de trabalha-la melhor:
- o facto de ainda não conseguir muito bem despir-se sozinho e autonomamente sentar-se a fazer o xixi - mas nisto o Inverno também não ajuda e acredito que há tempo... Estamos a trabalhar essa conquista. Já temos o banquinho (do IKEA) que serve para se sentar mais facilmente na sanita e para lavar os dentinhos.
- e o começar a deixar a fralda de noite - é unânime a quem me rodeia que uma boa estratégia é a de leva-los à sanita antes de ir para a cama e depois 1, 2 ou 3 vezes durante a noite acordar e coloca-los na sanita... chegaremos lá :)

Estas foram algumas das mudanças ou sinais a nível emocional, social, e a nível do desenvolvimento fisiológico, motor, cognitivo e da linguagem a que dei mais importância por toda a literatura a que tive acesso sobre o tema.

Estou ou melhor estamos a fazê-lo tranquilamente, quase como se fosse mais um jogo com ele... sem pressão ainda que com firmeza no «compromisso» de ele colaborar: Ele não quer fralda , para isso tem de estar atento e avisar quando necessitar ir à casa de banho - grande festa quando acontece.
Digo estamos porque todos os que o acompanham diariamente acabam sendo importantes - a educadora e as auxiliares na escolinha e nós cá em casa.

Do ponto de vista mais romântico o JB está numa das suas 1ªs maiores conquistas de auto-controle. Sairá com certeza vitorioso desta e já com alguma «memória residual, experiência vivida» de vitória e conquista.


o nosso redutor





Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares